MembrosInícioNovatoRegistrar-seConectar-se
CONHEÇA A FAMÍLIA VONGOLDEN

Compartilhe | .
 

 Escola de Magia Brasileira Castelobruxo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Lynx Andromeda Tonks


avatar


Zodíaco Bruxo : Erumpente
Coração : Heterossexual
Relacionamento : Casado
Idade : 40
Mensagens : 37

MensagemAssunto: Escola de Magia Brasileira Castelobruxo   Sex 25 Mar 2016 - 2:13

ESCOLA DE MAGIA BRASILEIRACASTELO BRUXO



ESCOLA DE MAGIA BRASILEIRA CASTELOBRUXO
Tribos – 5
Fundação – 1150
Primeiro Diretor – Cacique Xamã Ubirajara

A Escola de Magia Brasileira Castelobruxo é uma das escolas de magia mais antigas do mundo bruxo, já tinha sua existência e reconhecimento pelo mundo mágico antes mesmo do Brasil ser colonizado. Fundado no ano de 1150 por índios, seu primeiro Cacique foi o Xamã Ubirajara, que criou tribos ao invés das habituais casas, se baseando nos quatro elementos sagrados da natureza, estes últimos determinantes da personalidade do bruxo e também das atividades específicas de cada tribo, interligadas aos seus respectivos elementos, visando uma sociedade bruxa unida e harmônica. As tribos são cinco: os Iarianos, os Boitigus, os Sacisus, os Mulans e, por fim, os Apoemos.


Os Iarianos representam o elemento Água e são regidos pela misteriosa sereia Iara, ou Mãe das Águas como é popularmente conhecida, uma bela mulher morena metade sereia, portadora de belíssimos cabelos negros e olhos amendoados, que habita os rios e lagos da Amazônia, e nas raras vezes em que é vista, a sereia está brincando com os peixes, admirando seu reflexo nas águas ou penteando suas pesadas madeixas negras com um pente de ouro. A lenda que a cerca é que Iara costuma atrair os homens, principalmente pescadores, com seu irresistível canto que ecoa pelas águas e florestas da região; as vítimas seguem Iara até o fundo dos rios e nunca mais são vistos novamente, mas os poucos que conseguem voltar acabam ficando loucos pelos encantamentos da sereia. Um conselho? Nunca siga o canto de um ser metade mulher, metade peixe, por mais tentador que seja.



 Os Iarianos costumam ser emotivos, sensíveis, vaidosos, confiantes e portadores de grande força de vontade; também sentem muito medo, o que os leva a serem um pouco indecisos e limitados. São responsáveis pela pesca nos rios e lagos, pela confecção de itens rotineiros básicos como cestos trançados e semelhantes, e pela composição das cantigas cantadas ao redor da grande fogueira todo cair de noite. São especializados em Cantigas, Encantamentos (psicológicos) e magia rimada.



 Os Boitigus representam o elemento Fogo e são regidos pelo protetor Boitatá, também chamado de Fogo que Corre, uma grande cobra de fogo que passa grande tempo rastejando pelas florestas na escuridão da noite e que, de acordo com a lenda do norte, aprisiona uma alma penada que deve pagar pelos seus pecados nessa forma; o Boitatá protege as matas e florestas de pessoas que provocam queimadas, assombrando e as queimando com o fogo mágico que solta pela boca, não prejudicando o meio ambiente, só o malfeitor.  Então nada de fazer queimadas, certo?



Os Boitigus são bruxos de personalidade dominante e social, são extrovertidos, enérgicos, sedutores e espontâneos, adoram uma festa; sabem mentir muito bem, por vezes até chamados de enroladores. Seu papel dentro de Castelobruxo é fazer a guarda não só da Escola em si como também das matas e florestas, protegendo-as de bruxos, trouxas e até criaturas que tentem prejudicá-las de alguma maneira. São denominados também de guardiões guerreiros, e fazem suas rondas sempre acompanhados de um grande cajado de cedro mágico - toda a madeira utilizada nas confecções dos cajados são reflorestadas, é claro -, encantado para se transformar numa serpente de fogo quando fincado firmemente contra a terra, caso haja uma situação de risco. Geralmente, têm simpatia pelas disciplinas de Defesa Contra as Artes das Trevas e quaisquer atividades que envolvam esportes, devido à sua capacidade física maior que a dos demais.



Os Sacisus representam o elemento Ar, e são regidos pelo travesso Saci-Pererê, um jovem negro de apenas uma perna, já que a outra perdeu numa luta de capoeira, que vive pulando pelas florestas usando um gorro vermelho mágico e com um grande cachimbo pendendo de seus lábios, pregando peças e travessuras com todos e tudo o que estiver próximo a ele, como por exemplo, dar nó nas crinas dos cavalos, misturar os ingredientes na cozinha da Escola e assustar os bruxos com um assobio forte e estranho. Porém, o Saci não é voltado apenas para as travessuras; ele é um verdadeiro conhecer das ervas, chás e medicamentos feitos com plantas, um verdadeiro curandeiro, podemos dizer. Ele guarda todo estes conhecimentos, os mantendo em segredo; e ah!, se você adentrar as matas em busca de ervas e outras plantas, deve pedir sua autorização, caso contrário, se transformará em alvo das peças do jovem travesso, e acredite, você não quer isso! Não se sabe se existe apenas um Saci, mas há quem diga que toda noite, todos os Sacis do mundo se reúnem para planejarem as travessuras que irão fazer.



O Sacisu é um bruxo inteligente, orgulhoso, sensato, egocêntrico, racional e malandro; às vezes é muito impulsivo e idealista, assemelhando-se ao seu regente. Esta tribo é responsável pela administração do Templo da Cura, devido as suas habilidades natas como curandeiros, e por buscar ervas e outras plantas nas florestas para a preparação de medicamentos e chás. Têm um forte pelas disciplinas de Alquimia, Poções e magias avançadas.



Os Mulans representam o elemento Terra e seu regente é a Mula-Sem-Cabeça, uma mula com a cabeça decepada, que solta fogo por onde devia estar sua cabeça. É sussurrado pelos corredores que a sétima filha, depois de seis filhos homens, é amaldiçoada com a maldição da Mula-Sem-Cabeça, semelhante à maldição do lobisomem; se denomina Equinotropia. Diz-se que a Equinotropia pode ser passada por relações sexuais ou hereditariamente; no caso do homem, ele se transforma em um cavalo sem cabeça, e não expele fogo. A Mula costuma correr pelas matas e campos, assustando bruxos e animais, então se você ouvir um relincho alto acompanhado de um longo gemido, não pense duas vezes antes de correr para as colinas.



Os Mulans têm personalidade calma e equilibrada, mesmo com o regente que possuem, são eficientes, práticos, conservadores e bem humorados; são também desconfiados e um pouco desmotivados, podendo prejudicar a si mesmos e aos outros em suas atividades diárias, às vezes. Mulans são responsáveis pelas plantações e colheitas, mas principalmente pela caça, com permissão do Curupira; em geral, pela alimentação da Escola. São excepcionais nas disciplinas de Magizoologia e Herbologia.


E, por fim, há os Apoemos, tribo regida pelo Curupira. O Curupira é um índio baixinho, de cabelos cor de fogo de tão vermelhos, apesar de sua estatura é forte, rápido e esperto, e sua principal característica são os pés invertidos, virados para trás; adora descansar sob a sombra das mangueiras e também pregar peças naqueles que entram na floresta, usando encantamentos e ilusões, deixando os visitantes perdidos e sem saber o caminho de volta, o que só diverte o índio ruivo. Seus principais alvos são os caçadores, lenhadores e pessoas que destroem as matas de forma predatória; para assustá-los, o Curupira emite assovios agudos, e também faz uso de imagens ilusórias assustadoras para espantar os "inimigos das florestas". Seus pés invertidos servem para despistar os perseguidores, deixando pegadas e rastros falsos pelas matas. A função do curupira é proteger as árvores, plantas e animais das florestas.

Podemos dizer que os Apoemos é uma tribo diferente das demais, pequeno, por motivos de seus bruxos serem regidos e possuírem características dos quatro elementos da natureza, o que é raro. Eles escolhem a qual tribo querem contribuir, e uma vez escolhida, não se pode mais voltar atrás.



Deve ser ressaltado que os estudantes de Castelobruxo possuem uma forte conexão à habilidade de Elementismo, por estarem intimamente ligados aos elementos da natureza, estudando a habilidade desde o 1º ano e possuindo naturalmente um pouco de domínio sobre o elemento que o rege, ou sobre os quatro, caso o indivíduo seja um Apoemo. Para os que querem possuir tudo o que a habilidade tem a oferecer, se faz necessária a ficha.
Castelobruxo se localiza na atual Amazônia, entre os rios Negro e Solimões; a Escola é um grande castelo, para adentrá-lo é preciso subir uma enorme escadaria, assemelhando-se a um templo antigo, construído com pedras douradas, se erguendo impetuoso entre as florestas, escondido. Aos olhos dos trouxas, o grandioso templo parece se tratar apenas de ruínas antigas. Dentro do templo principal há quatro templos menores: o Templo da Água, o Templo do Fogo, o Templo da Terra e o Templo do Ar, e a entrada de cada templo é coberta pelo elemento que a rege, consequentemente, somente um portador daquele elemento consegue usar o elementismo para abrir a passagem; além de que o ambiente de cada templo condiz com suas respectivas tribos. Então, por exemplo, um Iariano, que está acostumado às baixas temperaturas de seu Templo, não conseguiria entrar no Templo do Fogo, já que o mesmo é ajustado para altas temperaturas. Um Sacisu, acostumado com os abismos e caminhos estreitos de seu Templo, se perderia facilmente no Templo da Terra, com seus labirintos complexos que só um Mulan conseguiria se encontrar. Já os Apoemos são capazes de entrar em todos os templos.

As dependências de Castelobruxo são protegidas pelos Caiporas, seres travessos que surgem durante a noite para vigiar os alunos e as criaturas que vivem nas florestas, irmãos do Curupira; em uma conversa com Armando Dippet, a ex-diretora da Escola, Benedita Dourado, ria dos resmungos do homem em relação ao fantasma Pirraça, e propôs, entre uma gargalhada e outra, mandar um de seus Caiporas para a Floresta Proibida para mostrá-lo o que realmente é bagunça. A oferta foi recusada.
Os trajes usados pelos alunos do Castelobruxo são da cor verde-limão, e os bruxos da escola brasileira carregam consigo um amuleto, apetrecho usado como colar ou pulseira, confeccionado com couro e uma pedra que represente o elemento da tribo à qual pertence.

 Os bruxos brasileiros, em geral, são muito simpáticos, receptivos e enérgicos, contagiando todos à sua volta com sua positividade e otimismo, comportamento esse que reflete também dentro da Escola de Magia Brasileira Castelobruxo, contribuindo para um dia a dia suave e descontraído.
[/center]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Persépholus Snape

Ex- Administrador
avatarEx- Administrador


Zodíaco Bruxo : Centauro
Coração : Heterossexual
Relacionamento : Viúvo (a)
Idade : 57
Mensagens : 85

Ficha Escolar
Ano Escolar: Concluído
Casa: Slytherin
Nível: ★☆☆☆☆

MensagemAssunto: Re: Escola de Magia Brasileira Castelobruxo   Sab 26 Mar 2016 - 16:54


Matricula

Para se ingressar deve ser uma conta ainda não selecionada em nenhuma das escolas. Após escolher fazer parte do Castelobruxo, não poderá mais mudar de escola. Deve aceitar sua tribo com orgulho e se dedicar como um membro da família.

Responda o teste abaixo, para ser aceito em uma das tribos, e aguarde até 5 dias para conseguir visualizar a escola. Após selecionado, não se esqueça de ir no seu perfil bruxo, e colocar a sua Tribo em "Casa"

Antigos alunos da Apoema, serão automaticamente transferidos para o Castelobruxo, portanto devem responder essa ficha para ser designado para alguma tribo.


w w w . h o g w a r t s . c o m . b r
Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Escola de Magia Brasileira Castelobruxo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» Regimento Interno da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts
» Robert Tales e a Magia Grega Livro 1: A Espada do Olimpo
» [Engine Brasileira] Jogos Maker Tool.
» Como criar magia de wave? Ajuda por favor!
» Magia Demoníaca

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Hogs :: 
Welcome to Hogs
 :: Hogs List :: Escolas
-